Barrinhas de Aveia e Chocolate com Recheio de Morango

















60 g de aveia em flocos
330 g de farinha
150 g de manteiga (usei da marca Terra Nostra)
125 g de açúcar
1 ovo médio
1 colher de chá aroma de baunilha da Vahiné
1 clara
200 g de recheio de morango (usei o Fruistar morango da Sodifer)

Cobertura:
150 g de chocolate negro (usei o chocolate negro com 54% de cacau da marca Sodifer)
70 ml de leite (usei o leite meio-gordo Terra Nostra)
Lápis de pasteleiro rosa brilhante da Vahiné


Comece por bater a manteiga com o açúcar até obter um creme fofo. Adicione o ovo (previamente batido) e o aroma de baunilha, misture e bata para homogeneizar. Incorpore a aveia e a farinha, aos poucos, batendo bem entre cada adição.
Pré-aqueça o forno a 180˚C e forre dois tabuleiros com papel vegetal.
Coloque a massa que preparou sobre uma superfície enfarinhada e estique-a com o rolo até obter um retângulo com, um pouco menos de, 0.5 cm de espessura. Com o auxilio de uma régua escolar, marque e recorte 10 retângulos com 10x4cm e outros 10 com 11x5cm.
Sobre caca um dos 10 retângulos de massa mais pequenos espalhe uma colher de chá de recheio de morango, deixando livre uma pequena área nas suas extremidades. Pincele os retângulos maiores com clara de ovo e coloque-os sobre os que têm o recheio de morango. Pressione as laterais com os dedos para unir ambos os pedaços de massa e, com a régua, corte as bordas das barrinhas, de modo a apara-las e cela-las. 
Transfira as barrinhas para os tabuleiros preparados e leve ao forno por cerca de 20 minutos ou até dourarem ligeiramente. Deixe arrefecer um pouco e pincele a superfície de cada uma com ganache de chocolate que deve preparar levando o chocolate a banho-maria juntamente com o leite até que obtenha um creme homogéneo.
Deixe arrefecer completamente e decore a gosto com o lápis de pasteleiro.




Para acompanhar estes docinhos, recomendo:


Porto Ruby
Ramos Pinto


É um blend de vinhos com 3 anos de idade, em que se procura suster a evolução da sua cor tinta, mantendo o aroma frutado e o vigor dos vinhos jovens.

Notas de Prova:
Cor vermelha densa, mais intensa do que a do Tawny.
Vivo e intenso. Aromas fortes a frutos característicos das castas, isto é, aromas primários como cereja, amora, ameixa e framboesa, com um ligeiro toque de canela.
O ataque é bastante volumoso devido à sua jovialidade e quantidade de fruto. Pela via rectro-nasal, apercebemo-nos das suas purezas aromáticas provenientes dos aromas das uvas.
Final compacto e longo.





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação destes docinhos.

O meu muito obrigada à Terra NostraSodiferVahiné e Ramos Pinto pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.