Muffins de Chocolate Cremosos























100 g de açúcar mascavado (usei o açúcar mascavado da marca Sovex)
3 c. sopa de cacau (usei o cacau em pó com frutose da marca Sovex)
50 g amido de milho
75 g manteiga, em cubos (usei da marca Terra Nostra)
225 ml de água quente
125 g de chocolate negro (usei o chocolate negro com 54% de cacau da marca Sodifer)
75 ml de óleo vegetal
1 colher de sopa de licor de chocolate (usei da marca Chocolicor)
2 ovos grandes
2 c. chá aroma de baunilha (usei da marca Vahiné)
125 g açúcar branco
125 g farinha
2½ c. chá fermento em pó (usei da marca Fermipan)



Pré aqueça o forno a 180ºC.
Prepare 15 formas de muffins untando-as com margarina derretida e polvilhando-as com farinha. 
Comece por fazer um creme misturando o amido de milho com o açúcar mascavado, o cacau e a água quente. Leve a lume brando até ferver, mexendo sempre, até estar bem cremoso.
Retire do lume, junte-lhe a manteiga e o chocolate e envolva para que se dissolvam completamente. Acrescente o óleo, o licor de chocolate, a baunilha e um dos ovos, mexendo bem para obter um creme homogéneo. Adicione o restante ovo e o açúcar branco e bata novamente.
À parte, misture a farinha com o fermento e, depois, junte ao creme de chocolate, misturando muito bem para não haver grumos.
Coloque a massa nas formas preenchendo apenas ¾ da sua capacidade. 
Leve ao forno por 20-25 minutos, aproximadamente (faça o teste do palito). Retire do forno e deixe arrefecer na forma por 5 minutos, desenforme e deixe arrefecer sobre uma grade.



Para acompanhar esta sobremesa, recomendo:


Porto Collector Reserva
Ramos Pinto

Mistura de castas provenientes de vinhas velhas tradicionais portuguesas.  De vários lotes jovens é criado um bouquet de cinco anos.

Notas de prova:
A borda vermelha pálida à volta do copo é o único sinal visível de maturidade. A área intermédia que, inicialmente, é opaca, evolui para um vermelho escuro translúcido. Por fim, na base do copo, a cor é de um vermelho intenso.
A sua tipicidade aromática é caracterizada pela semelhança com o vintage, devido ao seu potente fruto dominante e denso, denunciando uma profunda maturação de frutos, tais como a ameixa seca, figo, amora, framboesa e cereja.
O ataque é suave, notando-se uma sensação glicorosa equilibrada e cheia na boca. A sua maturidade de frutos revela-se-nos de uma forma saborosa, exaltando os aromas rectro-nasais mais voláteis e evoluídos. A persistência é notável.




Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação destes docinhos.

O meu muito obrigada à Sodifer, Terra Nostra, Sovex, Fermipan, Vahiné e Ramos Pinto pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.