Beringela Recheada com Vitela e Painho

















3 beringelas
400 g carne de vitela picada
150 g de painho de qualidade (usei da marca Sicarze)
1 cebola
2 dentes de alho
3 tomates, reduzidos a puré
4 c. sopa de polpa de tomate com alho e cebola (usei da marca Compal)
3 c. sopa de azeite (usei o Azeite Castelo de Marvão)
1 dl de vinho
2 c. chá de orégãos picados
200 g de queijo ralado  (usei o queijo flamengo ralado Terra Nostra)
Molho de piripiri a gosto (usei o extra-picante da Paladin)
Pimenta q.b. (usei da marca Margão)
Sal q.b. (usei a flor de sal Marnoto)


Comece por lavar as beringelas e corte-as ao meio no sentido do comprimento. Com a ajuda de uma faca faça vários cortes no interior das beringelas e retire-lhes a polpa com uma colher, de modo a que a casca fique inteira. Pique a polpa das beringelas e reserve.
Salpique as metades de beringela com sal e deixe assim por 30 minutos. Ao fim deste tempo, escorra a água que se formou e tempere com um fio de azeite.
Enquanto isto, aqueça o azeite e junte-lhe a cebola e os dentes de alho bem picados, deixe amolecer e junte a carne picada e o painho em pedaços. Deixe cozinhar um pouco, mexa, e adicione o miolo da beringela que reservou.
Acrescente o tomate picado, a polpa e o vinho. Tempere com sal, pimenta, molho de piripiri e orégãos picados, deixando cozinhar até apurar. De seguida, passe a mistura pela varinha mágica até obter um preparado homogéneo.
Entretanto, ligue o forno a 180ºC e preencha as metades de beringela com a mistura da carne, polvilhe com queijo ralado e leve ao forno durante 25 minutos.





Para acompanhar esta entrada, recomendo:

Espumante São Domingos Tinto Bruto 2009 DOC Bairrada  
Caves do Solar de São Domingos

Castas: Baga (100%)

Notas de prova :
Apresenta uma bonita espuma rosada, muito frutado no aroma, lembrando frutos silvestres e morangos frescos. Na boca é cheio, refrescante e persistente.

Método Clássico:
Após a segunda fermentação em garrafa o vinho é estagiado em cave sobre as leveduras por um período de 16 meses, à temperatura constante de 12ºC e, assim, encontrar o equilíbrio perfeito de riqueza, sabor e elegância.
Para a remoção das leveduras procede-se à remuage durante 2 meses. O degorgement glacée liberta as leveduras e de seguida adicionamos uma pequena quantidade de licor de expedição para terminar o vinho. Depois de um período de dois meses após todo este processo a garrafa de espumante está pronta para entrar no mercado.





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Sicarze, Compal, Terra Nostra, Paladin, Margão, Azeite Castelo de Marvão, Necton Caves do solar de São Domingos pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram