Pudim de Caramelo com Nozes Caramelizadas









60 g de manteiga Terra Nostra
180 g de açúcar mascavado
1 pitada de sal
3 c. sopa de amido de milho
650 ml de leite, meio gordo, Terra Nostra
2 ovos grandes (usei ovos Matinados CAC, de galinhas ao ar livre)
1 c. chá de essência de baunilha Vahiné

200 ml de natas
1/2 c. chá de sumo de limão
2 c. sopa de açúcar

Nozes caramelizadas:
4 c. sopa de açúcar
4 c. de sopa de água
2 c. sopa de natas
1 mão cheia de nozes partidas ao meio



Comece por derreter a manteiga juntamente com o açúcar, em lume brando, me mexendo sempre. Assim que obter uma caramelo de cor âmbar, retire do lume.
À parte, misture o amido de milho com metade do leite, batendo. Ao restante leite adicione os ovos e abata. 
Junte o leite com o ovo, pouco a pouco, ao açúcar derretido, mexendo sempre. Adicione a mistura de amido e envolva.
Leve, novamente, ao lume e espere que a mistura ferva, mexendo com frequência. Depois que começar a borbulhar, reduza a temperatura e deixe cozinhar por um minuto, mexendo sem parar, até que o pudim engrosse e fique com a consistência de um creme grosso.
Retire do lume adicione a essência de baunilha. Misture bem com a vara de arames.
Transfira o pudim para taças individuais, ou uma taça maior, e deixe arrefecer completamente.

Enquanto isto, coloque o açúcar e a água numa caçarola de fundo espesso. Deixe, em lume brando, enquanto a mistura está a fervilhar e mexa até o açúcar caramelizar (cor âmbar), retire logo do lume para não queimar. Junte as natas, envolva, e acrescente as nozes, misturando bem. Deixe arrefecer sobre um prato ou papel vegetal.

Bata as natas com o sumo de limão até obter um chantilly firme. Junte o açúcar e bata mais um pouco. Com um saco de pasteleiro, munido de bico frisado, coloque um pouco do chantilly sobre as taças de pudim. Decore com as nozes caramelizadas e leve ao frio até servir.






Para acompanhar esta receita, recomendo:

Ginja D'Óbidos - Licor de Ginja
Vila das Rainhas
Frutóbidos

O sucesso do Licor de Ginja d`Óbidos “Vila das Rainhas”, está na essência do fabrico artesanal, sem corantes nem aromatizantes, obtendo-se um néctar de cor rubi e sabor aveludado, o qual deve ser consumido a uma temperatura de 14ºC ou 15ºC.

Teor alcoólico:
20% vol.

Saiba mais:

Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.



Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Terra Nostra, Ovos Matinados CAC, Vahiné e Vila das Rainhas (Frutóbidos) pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.