Paté de Salmão Selvagem




















Hoje trago mais uma receita com o fantástico Salmão Selvagem do Alasca que descobri!
Estou realmente fascinada com o seu sabor e textura...

Salmão Selvagem do Alasca, sendo este bem diferente do salmão de aquacultura, que todos consumimos. É diferente na cor, na textura, no sabor e nos benefícios para a nossa saúde. 
Aliás, o importante é ter em mente que o salmão proveniente de criação/aquacultura não é tão saudável quanto o selvagem. A maior parte do salmão que chega ao nosso prato tem valor nutricional baixo, elevada taxa de gordura, além de conter corantes artificiais e antibióticos. 
Sempre que possível, opte pelo salmão selvagem. 
É verdade que o preço do salmão selvagem do Alasca é substancialmente mais caro e não se encontra nos supermercados (descobri que há na Makro). Mas, lembre-se que a pesca nos mares do Alasca é sustentável, ambientalmente responsável e certificada.





1 posta de salmão selvagem com 200 g
1 fio de azeite
1 pitada de alho em pó
Flor de sal (usei a flor de sal Marnoto)

50 g de requeijão (usei o requeijão de Lamego da Lacticínios do Paiva)
1 pitada de mistura de 5 pimentas
4 -5 c. sopa de maionese (usei a maiogurte da Paladin)
Sumo de limão q.b.
Flor de sal
Biscottinas redondas com azeite e sal da Rialto


Comece por temperar o salmão selvagem com a flor de sal e reserve por 30 minutos.
Misture o azeite com o alho em pó e pincele o salmão de ambos os lados. Leve-o a grelhar,numa chapa quente por pouco tempo de cada lado, uma vez que este salmão cozinha muito depressa.
deixe arrefecer, livre-o de peles e espinhas e parta-o em pedaços pequenos.
Coloque o salmão no processador de alimentos, junte-lhe o requeijão e reduza a mistura a puré. Tempere com a mistura de 5 pimentas, flor de sal e sumo de limão. Vá adicionando a maionese, aos pouco, até obter uma consistência aveludada.
Sirva com as biscottinas de azeite e sal.




Para acompanhar este prato, recomendo:


Quinta da Lixa Branco 
O tal Vinho da Lixa

Castas: Loureiro, Alvarinho e Trajadura
Região: Vinhos Verdes

O Quinta da Lixa é produzido com algumas das mais nobres castas da região dos vinhos verdes, produzidos e vinificados na região que lhes dá o nome.
Aspecto brilhante e cor citrina. No aroma apresenta um carácter frutado com algumas nuances a frutos tropicais e um caracter floral.
Na boca confirma toda a expectativa criada pela intensidade do aroma, muito equilibrado, este vinho apresenta-se seco com complexidade e persistência.






Para preparar este delicioso prato, utilizei a mini coccote e a taça, ambas em cerâmica e de cor azul, da Staub (adquira os seus aqui)






Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Staub, Lacticínios do Paiva, Paladin, Rialto, Marnoto e Quinta da Lixa pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.