Cheesecake Doce de Tomate e Hortelã Menta












Base:
150g de bolacha maria
85g de margarina

Creme:
200g de queijo creme
200ml de natas
150g de açúcar
1 colher de chá de aroma de baunilha (usei da marca Vahiné)
1 colher de café de sumo de limão
2 colheres de sopa de água quente
4 folhas de gelatina incolor

Cobertura:
5 c. sopa de doce de tomate da Sabores do Campo
2 c. sopa de água
1 folha de gelatina
Hortelã pimenta fresca

Coloque as natas no congelador 20 minutos antes de as usar. Deixe o queijo creme amolecer um pouco, em temperatura ambiente, antes de o usar.
Triture as crackers numa picadora até obter uma espécie de farinha e junte-lhe a margarina derretida, amassando bem com as mãos. 
Entretanto, demolhe as folhas de gelatina num pouco de água fria durante, cerca de, 10 minutos.
Unte uma forma de aro amovível (de 18cm de diâmetro) ou 4 forminhas individuais com margarina e forre o fundo com a massa de bolacha. Pressione bem com as mãos e alise a superfície com uma colher.
Usando a batedeira, bata o queijo com o açúcar e o aroma de baunilha até a mistura ficar cremosa.
À parte, bata as natas com o sumo de limão e junte-as à mistura anterior.
Entretanto, dissolva a gelatina, espremida, na água quente e junte-a ao preparado anterior, envolvendo muito bem. Coloque o creme sobre a base de bolacha e alise a superfície com uma espátula. Leve ao frigorífico até solidificar (cerca de 4-6 horas) e desenforme para um prato de servir.
Nessa altura, leve ao lume o doce de tomate com a água. Mexa para dissolver e junte a folha de gelatina previamente hidratada em água fria durante 10 minutos. Deixe arrefecer um pouco e verta sobre o cheesecake, com cuidado, e leve ao frigorífico por mais uma hora.




Para acompanhar esta sobremesa, recomendo:


Late Bottled Vintage (LBV) 2009 - Quinta do Estanho

Espuma: Avermelhada
Aroma: Limpo e agradável, com leves notas achocolatadas

Sabor: Limpo e agradável, com taninos equilibrados, denotando ainda um frutado agradável



Vinho do Porto de excepcional qualidade, de uma só colheita oriunda de uvas tintas das castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Tinta Roriz, entre outras.


Verificado com especial rigor, envelhece em tonéis de madeira até ao 4º ou 6º ano e depois em garrafa.



Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação desta sobremesa.

O meu muito obrigada à Sabores do Campo (Scalregional), Vahiné e Quinta do Estanho pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.