Tarte de Pêssegos Frescos



















125 g de açúcar mascavado claro
1 c. chá de amido de milho
1 c. chá de canela em pó Margão
8 pêssegos amarelos

Massa:
220 g de farinha
100 g de manteiga gelada e picada Terra Nostra
60 g de açúcar
1 limão em raspa
1 pitada de sal
1 ovo + 1 gema, ligeiramente batidos 
Água fria
Açúcar para polvilhar
Desmoldante em spray Panol da Sodifer


Junte a farinha com a manteiga, o açúcar, a raspa de limão e o sal no processador de alimentos. Processe até obter uma mistura grossa e areada. Aos poucos, vá acrescentando a mistura de ovos,  processando, até que uma massa se forme. Transfira a massa para uma superfície levemente enfarinhada, amasse, delicadamente, até obter uma massa homogénea. Em seguida faça uma esfera com a massa, embrulhe-a em película aderente e leve ao frigorífico durante 2 horas (isto fará com que a maça endureça).

Pré-aqueça o forno a 180°C. 
Prepare o recheio descascando os pêssegos e cortando-os em fatias grossas. Junte-lhes o açúcar mascavado, o amido e a canela, mexendo delicadamente.
Unte uma tarteira, de 22cm de diâmetro, com margarina e polvilhe-a com farinha (eu usei somente desmoldante em spray). Reserve.
Estenda 2/3 da massa numa superfície enfarinhada até obter um círculo maior que o diâmetro da tarteira e transfira-o para esta. Molde-a à forma e cubra-a com o recheio de pêssegos e todo o molho que se formou.

Estenda a massa restante e corte, tiras longas de 1 cm de largura, usando uma carretilha frisada.
Coloque as fitas sobre o recheio formado uma espécie de treliça e pressionando-as na beirada da massa para selar bem. Pincele a massa com água fria e polvilhe toda a tarte com açúcar.
Leve ao forno até dourar e apresentar-se crocante, cerca de 40-50 minutos). Deixe arrefecer e sirva morno ou frio.





Para acompanhar esta sobremesa, recomendo:


Late Bottled Vintage (LBV) 2009 - Quinta do Estanho

Espuma: Avermelhada
Aroma: Limpo e agradável, com leves notas achocolatadas

Sabor: Limpo e agradável, com taninos equilibrados, denotando ainda um frutado agradável

Vinho do Porto de excepcional qualidade, de uma só colheita oriunda de uvas tintas das castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Tinta Roriz, entre outras.

Verificado com especial rigor, envelhece em tonéis de madeira até ao 4º ou 6º ano e depois em garrafa.





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação desta sobremesa.

O meu muito obrigada à Terra NostraMargão, Sodifer e Quinta do Estanho pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.