Papos de Anjo











Em Portugal, a doçaria conventual teve origem no século XV, aquando da colonização da Ilha da Madeira e do cultivo da cana de açúcar. Nesta altura o açúcar recebeu uma atenção especial e foi levado até aos conventos onde nasceu a tradição dos docinhos/bolos caracterizados por serem, na sua maioria, compostos por grandes quantidades de açúcar e gemas de ovos. 
 
Eu sei que ainda falta muito tempo para o Natal...mas eu sou uma amante de doçaria conventual e não quis esperar tanto para fazer/provar estas delícias.





Bolinhos de Gema:
5 gemas 
1 ovo
1/2 colher de sopa de amido de milho (usei marca Espiga)
1/2 colher de café de fermento em pó


Calda Aromática:
250ml de água
250g de açúcar 
2 pedacinhos de casca de limão
1 pau de canela
1/2 colher de café de essência de baunilha



Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Unte com margarina 12 forminhas de queque. Reserve.
Num recipiente junte as gemas e o ovo e bata (com a batedeira) até que aumentem de volume. Junte o amido de milho com o fermento e continue a bater até obter um creme fofo e volumoso. Coloque o creme nas forminhas mas sem as encher totalmente.
Leve ao forno durante 10-12 minutos.
Enquanto os papos de anjo cozem deve ir preparando a calda. Coloque todos os ingredientes da calda num tachinho e leve ao lume durante 2-3 minutos, mexendo ocasionalmente. Reserve e deixe arrefecer.
Quando os papos de anjo já estiverem cozidos, retire-os logo do forno, deixe arrefecer um pouquinho e desenforme. Pique cada bolinho com um palito de madeira de ambos os lados (excepto a parte de cima) e fazendo apenas um furinho em cada lado. Depois de a calda estar fria mergulhe cada um dos bolinhos furados na calda, disponha-os numa travessa funda e regue-os com a restante calda.