Blogger templates

traduzir para inglêsTraduzir para Espanholtraduzir para françêstraduzir para alemão

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Torres Crocantes de Requeijão e Doce de Abóbora



















8 fatias de pão de forma sem côdea especial torradas da Panrico
Doce de abóbora q.b.
2 requeijões de vaca (usei o requeijão de Lamego da Lacticínios do Paiva)


Comece por cortar o pão em forma de círculo usando um cortador de bolachas ou um copo. Disponha os círculos de pão sobre a grade do forno e leve-os a torrar a 200ºC até dourarem de ambos os lados.
Barre metade dos círculos de pão torrado com doce de abóbora, adicione uma fatia de requeijão (também cortado com o cortador de bolachas) e cubra com mais doce de abóbora.
Termine com a outra parte de pão e decore a gosto.





Para acompanhar este prato, recomendo:


Quinta da Lixa Branco 
O tal Vinho da Lixa

Castas: Loureiro, Alvarinho e Trajadura
Região: Vinhos Verdes

O Quinta da Lixa é produzido com algumas das mais nobres castas da região dos vinhos verdes, produzidos e vinificados na região que lhes dá o nome.
Aspecto brilhante e cor citrina. No aroma apresenta um carácter frutado com algumas nuances a frutos tropicais e um caracter floral.
Na boca confirma toda a expectativa criada pela intensidade do aroma, muito equilibrado, este vinho apresenta-se seco com complexidade e persistência.







Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Lacticínios do Paiva, Panrico e Quinta da Lixa pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.





sexta-feira, 26 de junho de 2015

Sanduíche Fresca
















4 fatias de pão integral sem côdea da Panrico
2 tomates redondos
2 queijos frescos (usei os queijos frescos sem lactose da Lacticínios do Paiva)
1/2 alface
4 linguiças (usei a linguiça receita tradicional do Sr. Cândido da Nobre)
1 pitada de pimenta da Margão
Flor de sal Marnoto


Comece por fatiar o tomate e tempere-o com sal. Fatie também o queijo e tempere com pimenta.
Retire a pele às linguiças e corte-as em fatias finas, longitudinalmente.
Sobre uma primeira fatia de pão adicione 1-2 folhas de alface, acrescente o tomate temperado e o queijo.
Por fim, acrescente a linguiça fatiada e termine com outra fatia de pão integral.




Para acompanhar este prato, recomendo:

Arca Nova
Quinta das Arcas


Denominação: Regional Minho IV
Ano: 2014
Castas: Alvarinho e Trajadura

Aroma: Fruta abundante com notas complexas de citrinos onde se destaca a toranja. De salientar ainda o ananás bem integrado no conjunto. Paladar: Estrutura complexa. Volumoso na boca com uma excelente acidez crocante completa o conjunto. Perfeito equilibrio entre alcool e acidez.

Uvas colhidas à mão e a uma curta distancia da adega. Desengace total para extração dos aromas mais frescos. Fermentação a baixas temperaturas.

Visite a loja online: www.quintadasarcas.com/lojadaquinta/






Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à McCainMarnoto e Quinta das Arcas pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.





quinta-feira, 25 de junho de 2015

Salada Fresca de Salmão Selvagem


















Hoje trago mais uma receita com o fantástico Salmão Selvagem do Alasca que descobri!
Estou realmente fascinada com o seu sabor e textura...

Salmão Selvagem do Alasca, sendo este bem diferente do salmão de aquacultura, que todos consumimos. É diferente na cor, na textura, no sabor e nos benefícios para a nossa saúde. 
Aliás, o importante é ter em mente que o salmão proveniente de criação/aquacultura não é tão saudável quanto o selvagem. A maior parte do salmão que chega ao nosso prato tem valor nutricional baixo, elevada taxa de gordura, além de conter corantes artificiais e antibióticos. 
Sempre que possível, opte pelo salmão selvagem. 
É verdade que o preço do salmão selvagem do Alasca é substancialmente mais caro e não se encontra nos supermercados (descobri que há na Makro). Mas, lembre-se que a pesca nos mares do Alasca é sustentável, ambientalmente responsável e certificada.






1 lombo de salmão selvagem do Alasca
1 fio de azeite (usei o azeite virgem extra - colheita especial - da Quinta da Lixa)
Sumo de limão
Flor de sal (usei a flor de sal Marnoto)
1 pitada de pimenta branca da Margão
1 alface frisada
1 ramo de rúcula
2-3 laranjas
Croutons (usei os croutons naturais da marca Rialto)

4 c. sopa de creme fraiche
1 c. chá de mel  (usei o mel da Beira Litoral da marca Finos Segredos)
1 pitada de wasabi


Comece por temperar o lombo de salmão com flor de sal, azeite e pimenta. Deixe marinar por 30 minutos. Leve a grelhar, numa chapa quente, por pouco tempo de cada lado, uma vez que este salmão cozinha muito depressa.
Limpe o salmão de pele e espinhas e corte-o em lascas grosseiras. Regue com um pouco de sumo de limão e reserve.
Enquanto isto prepare o molho misturando o creme fraiche com o mel e o wasabi. Misture muito bem e vá ajustando os ingredientes a seu gosto.
Num prato de servir comece por adicionar as folhas de alface rúcula. Junte também o salmão, a laranha em pequenos pedaços e os croutons.
Sirva de imediato com o molho que preparou.




Para acompanhar este prato, recomendo:


Quinta da Lixa Branco 
O tal Vinho da Lixa

Castas: Loureiro, Alvarinho e Trajadura
Região: Vinhos Verdes

O Quinta da Lixa é produzido com algumas das mais nobres castas da região dos vinhos verdes, produzidos e vinificados na região que lhes dá o nome.
Aspecto brilhante e cor citrina. No aroma apresenta um carácter frutado com algumas nuances a frutos tropicais e um caracter floral.
Na boca confirma toda a expectativa criada pela intensidade do aroma, muito equilibrado, este vinho apresenta-se seco com complexidade e persistência.







Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Finos Segredos, Rialto, Margão, Marnoto e Quinta da Lixa pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.











quarta-feira, 24 de junho de 2015

Taças Doces Tentações












500 g de morangos
Preparado para chantilly da Royal

Creme Baunilha:
2 ovos
2 gemas
550 ml de leite meio gordo Terra Nostra
20 g de manteiga Terra Nostra
120g de açúcar
25 g de amido de milho
1 c. sopa de aroma a baunilha

Creme Chocolate:
40 g de chocolate em pó da Royal
30 g de açúcar
575 ml de leite meio gordo Terra Nostra
30 g de amido de milho


Comece por fazer o creme de baunilha, aquecendo o leite e, à parte, misture o amido de milho, o açúcar, o ovo e a gema, misturando-os muito bem. Adicione a esta mistura o leite fervente e envolva bem, com uma vara de arames, para não criar grumos. Junte o aroma de baunilha e leve ao lume, mexendo sempre, até engrossar um pouco. 
Seguidamente, prepare o creme de chocolate misturando, num tacho, o açúcar, o amido de milho e o chocolate em pó e dissolva ambos em 1dl do leite. Aqueça o restante leite até ferver e junte-o, delicadamente, à mistura anterior. Leve a lume brando e deixe ferver durante 3 minutos, mexendo sempre com uma vara de arames. quando obtiver um creme ligeiramente espesso desligue o lume.

Por fim, preencha 1/3 de taças de sobremesa individuais ou uma maior com o creme de baunilha. deixe-o solidificar e adicione uma camada espessa de morangos laminados. Cubra-os com o creme de chocolate, deixe arrefecer e solidificar completamente e decore com chantilly (preparado segundo as instruções da embalagem) e morangos.
Sirva fresco.


Para acompanhar esta sobremesa, recomendo:


Late Bottled Vintage (LBV) 2009 - Quinta do Estanho

Espuma: Avermelhada
Aroma: Limpo e agradável, com leves notas achocolatadas

Sabor: Limpo e agradável, com taninos equilibrados, denotando ainda um frutado agradável



Vinho do Porto de excepcional qualidade, de uma só colheita oriunda de uvas tintas das castas Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Tinta Roriz, entre outras.


Verificado com especial rigor, envelhece em tonéis de madeira até ao 4º ou 6º ano e depois em garrafa.





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação desta sobremesa.

O meu muito obrigada à Royal, Terra Nostra e Quinta do Estanho pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.






terça-feira, 23 de junho de 2015

Tapas Mediterrâneas
















4 queijos frescos pequenos (usei da Lacticínios do Paiva)
4 baquetes médias
2 tomates redondos, grandes
Azeite q.b.  (usei o azeite virgem extra - colheita especial - da Quinta da Lixa)
2-3 dentes de alho
1 pitada de pimenta branca da Margão
Flor de sal  (usei a flor de sal Marnoto)
Mangericão fresco


Comece por abrir os cacetes e corte cada uma das metades ao meio. Transfira-as para a grade do forno, com a parte cortada virada para cima, e leve-as a torrar em forno quente. Quando alourarem e já se encontrarem crocantes, pincele-as com o azeite e esfregue-as com os dentes de alho.
Coloque as fatias de pão torrado em pratos de servir, adicione-lhes uma fatia de tomate e duas fatias de queijo temperado com pimenta e flor de sal. Por fim, decore com o mangericão e sirva morno ou frio.



Para acompanhar este prato, recomendo:


Quinta da Lixa Branco 
O tal Vinho da Lixa

Castas: Loureiro, Alvarinho e Trajadura
Região: Vinhos Verdes

O Quinta da Lixa é produzido com algumas das mais nobres castas da região dos vinhos verdes, produzidos e vinificados na região que lhes dá o nome.
Aspecto brilhante e cor citrina. No aroma apresenta um carácter frutado com algumas nuances a frutos tropicais e um caracter floral.
Na boca confirma toda a expectativa criada pela intensidade do aroma, muito equilibrado, este vinho apresenta-se seco com complexidade e persistência.






Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Lacticínios do Paiva, Margão, Marnoto e Quinta da Lixa pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.








Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...